consultoryuriandrade@gmail.com

[email protected]

19 Respostas

Agradecimentos: 2.283 pessoas curtiram suas respostas

Melhores respostas: 0 (0%)

Participante desde: 05/2020

SOBRE O RESPONDEDOR:

[email protected] está entre os TOP 2.100 corretores(as) possuindo um total de 0 artigo publicado e mais 19 respostas em nosso fórum.

Qual o valor da documentação de um imóvel?

ITBI - 2% a 5% do preço do imóvel Registro da compra em cartório - Em São Paulo, entre 1.131(imóveis de 100 mil) 2.636(imóveis de 1 milhão) Escritura - varia entre 1.643 a 3.569 Certidão negativa de débitos - 700,00 (SP)

Quando o imóvel não é averbado?

Quando não passa por uma alteração de registro no cartório responsável pelo mesmo.

O que significa ser contemplado em um consórcio?

Quando um consorciado adquire a permissão para retirar a carta de crédito de seu consórcio, antes mesmo de finalizar a quitação do seu plano, falamos que ele foi contemplado. A contemplação é a atribuição do crédito ao cotista para a aquisição de bem ou serviço.11

qual o prazo de validade de uma matrícula de imóvel?

Ônus Reais ou Gravames são impedimentos que recaem sobre o imóvel e são anotados na matricula e impedem ou podem dificultar uma venda, como penhora, hipotéca. MATRÍCULA ATUALIZADA é a cópia que você solicita no Cartório de Registro de Imóveis e que tem como prazo de validade 30 dias.

como é entregue um apartamento na planta

No contra piso na sala e quartos e piso frio nas áreas molhadas.

Infiltração apartamento responsabilidade construtora?

Vazamentos costumam gerar confusão no condomínio porque é difícil precisar de quem é a responsabilidade. Para compreender o problema, é preciso entender a regra básica sobre a infiltração entre apartamentos: a responsabilidade depende da origem do vazamento (em caso de problema na rede de encanamento, vertical ou horizontal). A rede vertical, ou coluna principal, conduz água e esgoto entre os andares e a rua. Por isso, é de uso comum, sendo de responsabilidade do condomínio, inclusive, qualquer obra realizada nas unidades, em virtude de problemas nesta rede. A rede horizontal liga a coluna à unidade por meio de canos (recebe água da rede vertical e conduz esgoto para ela). Por ser de uso particular, a responsabilidade por reparos e danos nela ocorridos é do proprietário, inclusive se o dano for causado ao vizinho. Caso haja um vazamento no teto do banheiro, por exemplo, decorrente de problemas na rede horizontal, o morador de cima é o responsável pelo reparo. A situação pode ser mais complicada se for o caso de aluguel. O proprietário do imóvel será sempre o responsável pelos custos de reparo ao apartamento vizinho se a infiltração decorrer de desgaste natural da estrutura. Porém, se o locatário fizer alguma reforma e prejudicar o encanamento, a responsabilidade é atribuída a ele. Saiba mais:

Quais são as obrigações do locador e do locatário?

São obrigações do locador entregar ao locatário o imóvel alugado em estado de servir ao uso a que se destina; garantir o uso pacífico do imóvel locado; manter a forma e o destino do imóvel; responder pelos vícios ou defeitos anteriores à locação; fornecer ao locatário caso solicitado descrição minuciosa do estado do imóvel quando de sua entrega; pagar as taxas de administração imobiliária e de intermediações; pagar os impostos, taxas, o prêmio de seguro complementar contra fogo que incidam ou venham a incidir sobre o imóvel salvo disposição expressa em contrário no contrato; exibir ao locatário, quando solicitado, os comprovantes relativos às parcelas que estejam sendo exigidas; pagar as despesas extraordinárias de condomínio. Tudo conforme o Artigo 22 da Lei 8.245/91. São obrigações do locatário pagar pontualmente o aluguel e os encargos da locação legal ou contratualmente exigíveis; servir-se do imóvel para o uso convencionado ou presumido tratando com o mesmo cuidado como se fosse seu; restituir o imóvel finda a locação no estado em que o recebeu; levar imediatamente ao conhecimento do locador o surgimento de qualquer dano ou defeito cuja reparação a este incumba bem como as eventuais turbações de terceiros; realizar a imediata reparação dos danos verificados no imóvel, ou nas suas instalações, provocadas por si, seus dependentes, familiares, visitantes ou prepostos; não modificar a forma interna ou externa do imóvel; entregar imediatamente ao locador os documentos de cobrança de tributos e encargos condominiais, bem como qualquer intimação, multa ou exigência de autoridade pública; pagar as despesas de telefone e de consumo de força, luz e gás, água e esgoto; permitir a vistoria do imóvel pelo locador mediante combinação prévia de dia e hora; cumprir integralmente a convenção de condomínio e os regulamentos internos; pagar o prêmio do seguro de fiança; pagar as despesas ordinárias de condomínio. Tudo conforme o Artigo 23 da Lei 8.245/91. Destaque-se também que, necessitando o imóvel de reparos urgentes, cuja realização incumba ao locador, o locatário é obrigado a consenti-los (Artigo 26 da Lei 8.245/91). Por fim, destaque-se que são nulas de pleno direito as cláusulas do contrato de locação que visem a elidir os objetivos da Lei de Locações (Artigo 45 da Lei 8.245/91).

Como calcular um reajuste?

Consulte o site do IBGE e pegue o índice acumulado dos últimos 12 meses no mês do vencimento (no caso acima é novembro/2014 que deu 6,56%) e multiplique pelo valor a ser corrigido para fazer o cálculo do reajuste do contrato manualmente.

Como saber o andar do apartamento pelo numero?

No caso de numerar 101, 201, 301 e etc. vc tem além do número do apartamento, seu andar respectivo. Todos no 1° pavimento começam com 1 no 2° com 2 etc.

O que é necessário para ser avalista de alguém?

Para se tornar um avalista é necessário não estar com nenhuma pendência cadastral. O acordo é feito por meio de um documento chamado 'aval' que garante que o avalista a assumirá a dívida, caso o tomador do crédito se torne inadimplente.

O que é bloqueio caução?

Resultados da pesquisa Trecho da Web em destaque O bloqueio caução refere-se a um valor especificado pela locadora, conforme a categoria do veículo e o período de locação, que fica retido em seu cartão de crédito durante a locação. O valor não é debitado na sua fatura, ou seja, não é cobrado do locatário.

Como faço para revogar uma procuração?

O ato de revogação pode ser feito em qualquer Cartório de Notas de sua confiança, independentemente de onde a procuração tenha sido feita. O outorgante precisa apresentar os documentos pessoais originais, além de uma cópia da procuração que deverá ser revogada.

Quem paga a taxa de transferência do imóvel?

Quem paga a conta é quem vai comprar o apartamento, a casa ou o terreno.

O que é fiador para que serve?

Alguém que ficará responsável por arcar com as despesas do aluguel ou pagamento do empréstimo, caso o contratante fique inadimplente.

O que diz a lei do inquilinato 8.245 91?

Conforme a Lei 8245/91, o locador é obrigado a entregar o imóvel alugado em boas condições de uso. Também é dever do proprietário fornecer uma descrição minuciosa do estado do imóvel no momento da entrega ao locatário. Porém, a Lei 8245/91 só considera isso uma obrigação caso o inquilino solicite.

Quando uma dívida ativa prescreve?

Isto é, se no período estipulado por lei a cobrança não chegar ao contribuinte, a dívida é extinta e não há necessidade de pagamento. Já a prescrição ocorre quando o governo não faz a cobrança da dívida após constatar a inadimplência.

Como faço para avaliar um imóvel?

1- Análise e vistoria. Nesta etapa, são levantados os dados que influenciarão no valor de mercado. 2- Pesquisa de Mercado. 3- Média do valor do metro quadrado das amostras. 4- Média final do valor do metro quadrado. 5- Valor médio final.

O que devo fazer para dar entrada no usucapião?

1. Certidão de casamento ou de nascimento - Considerando que o cônjuge também tem que autorizar (outorga uxória) qualquer pedido sobre bens imóveis (art. 1.674 do CC); 2. Carteira de identidade e CPF – básicos para identificação pessoal; 3. Comprovante de residência com CEP atualizado – também documento básico para identificação; 4. Declaração de hipossuficiência e comprovante de rendimentos atualizados (e do cônjuge, se for o caso) – apenas em casos de hipossuficiência econômica, em que a parte interessada não tenha condições de arcar com as custas (despesas) judiciais; 5. Nome e endereço completo de três testemunhas – Essas testemunhas não podem ser parentes ou amigos íntimos e devem ter conhecimento dos fatos. Outra observação é que essas testemunhas não podem ser os vizinhos confrontantes. 6. Certidão negativa acerca de processos cíveis em nome dos Requerentes (solicitar no fórum ou pelo site do Tribunal de Justiça do Estado respectivo - válido por 90 dias); 7. Certidão vintenária que atesta a distribuição de processos em nome dos Requerentes (solicitar no fórum ou pelo site do Tribunal de Justiça do Estado respectivo – válido por 90 dias); Documentação relativa ao imóvel e outros requisitos da Usucapião: 8. Contrato de compra e venda ou cessão de direitos com relação ao imóvel, se houver; 9. Comprovantes de pagamento integral do imóvel, se houver; 10. Guia de IPTU do imóvel, do último ano; 11. Certidão de origem do imóvel emitida pelo ente municipal no momento de aprovação do loteamento originário do bairro (válida por 01 ano); 12. Planta do loteamento do imóvel (válida por 01 ano); 13. Documentos que comprovem a posse e a utilização do imóvel ao longo dos anos, a exemplo dos seguintes: - Contrato de compra e venda, escritura pública de compra e venda; - Contas antigas (água, luz, telefone etc.) ou quaisquer outras correspondências encaminhadas ao endereço do imóvel em nome do morador; - Declarações de instalação de hidrômetro ou de padrão de energia, emitidas pelas prestadoras de serviço público, com a indicação do período a partir de quando o serviço começou a ser prestado em nome do morador; - Guias de IPTUs antigas e comprovantes de pagamentos deste tributo; - Carnês de compras (por exemplo, carnês de crediários) em nome do morador; - Registro do morador no posto de saúde do bairro; - Comprovante de carteira de vacinação de morador; - Registro das crianças da família na escola do bairro; - Fotos dos moradores habitando o imóvel; - Fotos ou outros documentos que demonstram que os moradores estabeleceram no imóvel obras ou serviços de caráter produtivo; - Fotos aéreas que apresentam a ocupação (notadamente, fotos em satélite do Google); 14. Planta planimétrica² e memorial descritivo que deverá conter croqui e planta sobreposta do loteamento (lote sobreposto ao loteamento) sem a necessidade de descrever como é a construção do imóvel. Deverá ser elaborado por um profissional habilitado (engenheiro, arquiteto, topógrafo) com a anotação de responsabilidade técnica (ART) e que contenha todos os dados exigidos no art. 225 da Lei 6.015/1973. Documentação a buscar nos Cartórios: 15. Certidão de Inteiro Teor da Matrícula do Imóvel, emitida pelo indicador real, que apresenta a negativa de ônus, bem como a cadeia dominial completa, desde a abertura da matrícula, obtida nos Cartórios de Registro d Imóveis; Obs: Procurar cartórios apenas quando tiver a Certidão de Origem e a Certidão de Inteiro Teor da Matrícula do Imóvel do Cartório deverá ser descrita exatamente da mesma forma que consta na Certidão de Origem (válida por 06 meses); 16. Certidão Negativa de Propriedade dos Cartórios de Registro de Imóveis da cidade respectiva em nome de todos os requerentes. Ponderações finais: No que se refere à planta (desenho) e numeral descritivo (relatório) – mencionada no item 14. Deve ser requerida no Cartório de Imóveis e na prefeitura de sua cidade. Caso não tenha, contratar um profissional qualificado, arquiteto/engenheiro, conhecido como topógrafo, que fará essa topografia (planta e numeral descritivo). Ademais, o juiz nomeará também um topógrafo, chamado de perito, para confirmar se as informações checam com a do profissional particular. Nessa ação haverá muitos custos, pois é demorada. O advogado que é do ramo, profissional dessa área, provavelmente cobrará uma manutenção durante o processo, porque pode demorar de 05 a 08 anos, em média. Isso pode depender de vários fatores que levam a morosidade do processo. Além disso, vale dizer que poderá ser útil juntar as contas mais antigas e as mais novas para comprovar a posse (item 13). Embora as contas de luz e de água não estejam no seu nome, não existe problema. Inclusive, não é de fato necessário ter essas provas. Pode-se supri-las com outras provas. Isto é, com prova testemunhal, relatório de empresa de água etc. Destaque para a importância do justo título. Um formal de partilha pode ser uma escritura pública, pode ser um instrumento particular (advogado ou corretor), cessão de direitos de posse, cessão de direitos hereditários, um contrato de comprova e venda ou compromisso de compra e venda. Esses documentos demonstram a boa-fé. No caso, têm a função de diminuir o lapso temporal como requisito. Portanto, na Usucapião extraordinária, cai o prazo da posse de 15 para 10 anos. E na ordinária, o prazo cai de 10 para 05 anos. Esse justo título é instrumento formalmente idôneo a transferir a propriedade, malgrado apresente algum defeito que impeça a sua aquisição. Em outras palavras, é o ato translativo inapto a transferir a propriedade por padecer de um vício de natureza formal ou substancial. Quando você assina um contrato de gaveta, a expectativa é que o leigo tenha a posse, mas o documento não o caracteriza como dono. Dono é apenas quem registra. Esse documento, no entanto, é apenas um justo título. O justo título é, desse modo, o instrumento que conduz o possuidor a estar na posse de boa-fé. Porém, cabe dizer que em casos de existência de contrato de locação, não há adequação para a Usucapião, por causa do “animus domini” não estar presente. Ainda sobre o justo título, assevera o enunciado n. 303 do Conselho de Justiça Federal o seguinte: “Considera-se justo título para presunção relativa da boa-fé do possuidor o justo motivo que lhe autoriza a aquisição derivada da posse, esteja ou não materializado em instrumento público ou particular. Compreensão na perspectiva da função social da posse”. Assim, munido da informação acima, fica mais fácil para o particular ter condições de reunir a documentação necessária para ingressar com a ação da Usucapião e poder agilizar o processo que, como foi dito, pode demorar anos.

Como descobrir o valor do metro quadrado de um terreno?

Para descobrir o valor do metro quadrado do terreno basta você dividir o valor que está sendo pedido pela metragem do terreno. Veja um exemplo abaixo: Valor pedido: R$ 150.000,00. Metragem do terreno: 300.

1684 consultoryuriandrade-at-gmailcom